terça-feira, 15 de novembro de 2011

Não devia jamais ter fugido


"Não soube compreender coisa alguma! 
Devia tê-la julgado pelos atos, não pelas palavras. Ela me perfumava e me iluminava... Não devia jamais ter fugido. Deveria ter-lhe adivinhado a ternura sob os seus pobres ardis.São tão contraditórias as flores! Mas eu era jovem demais para saber amar" 

( Livro - O Pequeno Príncipe )

3 comentários:

Luna Sanchez disse...

Somos impontuais por natureza...será mesmo?

Um beijo, Sara.

Saudades.

Marcos jesus disse...

É realmente um livro fantástico e foi nele que tive a compreensão que realmente não sabia de como era tão aleatório os meus sentimentos.

Ufanisi disse...

Fugir nunca resolve nada. E fugir do que sentimos de verdade é impossível! Não se pode escapar de si próprio. Nossa mente e nosso coração podem ser nossos maiores aliados ou nossos principais adversários...